Arquivo de pirataria

Pirataria X Bom Consumidor

Posted in Filmes with tags , , , , on março 4, 2009 by Burning

pirataTenho o péssimo hábito de comprar os dvds dos filmes que gosto. Claro que não quando eles são lançados, mas alguns meses depois quando o preço começa a ficar um pouco mais justo em relação à produção x diversão. Mas o que realmente odeio é comprar um dvd e ver nele aqueles comerciais idiotas contra a pirataria. Eles são mal feitos, não tem sentido algum, e ainda aparecem no dvd que eu comprei legalmente.

Hoje em dia, qualquer um pode piratear filmes. Basta apenas alguns toques no teclado e o Google te dá pelo menos uma centena de tutoriais sobre como baixar, gravar e assistir. Ou ainda quais os melhores programas para ver os filmes no computador. É apenas uma questão de não ter preguiça e seguir a receita de bolo que aparece na tela.

Por outro lado, os estúdios e os distriuidores precisam fazer alguma para mostrar que estão lutando contra a pirataria, certo? Então porque não fazer campanhas inteligentes? Porque não baixar um pouco mais os preços daqueles filmes mais velhos? Ahh o problema são os filmes no cinema que estão sendo pirateados? Baixem o preço do cinema! Tornem o cinema acessível para quem gostaria de ir, mas não pode jogar fora R$ 18 em uma sexta-feira ou fim de semana.

O princípio básico do mercado é a oferta e a procura. Os camelôs vendem 4 dvds por R$10. Qualquer um que já viu um camelô na rua, sabe que aquilo ali é lixo. Vê-se uma vez e joga fora e as vezes nem se vê nenhuma vez, de tão ruim que é a cópia. Este é o combate que deve ser feito, preço em conta, qualidade do produto e acesso ao mesmo. E para quem quer dicas de como achar os dvds a bons preços, indico as lojas físicas Americanas/Blockbuster. Eles geralmente tem uma boa quantidade de dvds entre R$ 9,99 e R$ 12,99. Não são os últimos lançamentos, mas geralmente consigo encontrar filmes interessantes. O que não dá para aguentar são aquelas propagandas idiotas. Se vão fazer, pelo menos façam bem feito!

Jogos Br 2 – O achado

Posted in Cultura, jogos, Legislação, Política with tags , , , on dezembro 9, 2008 by Burning

jogosVoltando ao assunto do Games Br (ou Jogos br, que é o nome oficial, mas todos os lugares que achei chamam de Games Br) tenho novas notícias. Aparentemente o  programa é mais velho do que pensei, a primeira edição dele foi em 2006, já teve alguns contemplados e por incrível que pareça tem uma matéria excenlente falando do mercado nacional de produção de jogos no site do Ministério da Cultura. Inclusive nele tem um relato de que deputados estão tentando mudar o sistema tributário sobre o setor para melhorar as condições de produção e comercialização. Nem parece o cenário brasileiro.

Acabei achando a página oficial do programa, que não é atualizada desde o início de 2007, e que convenhamos é um tanto quanto fraca para um assunto que com certeza chamaria muito a atenção de muita gente no Brasil. Tá certo que a produção é difícil, a comercialização ainda mais, mas acho que o enfoque do site é totalmente errado, é difícil de achar notícias relevantes, os demos dos jogos não encontrei e o visual é um tanto quanto ultrapassado.

Então caso alguém que esteja envolvido no projeto veja isso, tenho algumas dicas: melhorem o visual do site, coloquem os demos para serem baixados, os links deveriam ter os sites de alguns desenvolvedores brasileiros, informações sobre cursos e palestras são sempre bem-vindas, as notícias deveriam ser mais atuais, e com certeza, deveria haver uma parte sobre a legislção do assunto, bem como a lista de parlamentares ligados ao mesmo.

Tirando isso, vou ficar de olho e ver como tudo isso se desenvolve, não sou um desenvolvedor, mas um entusiasta do assunto. Quem sabe se o projeto ir pra frente as pessoas que têm algum poder aqui no nosso país começem a perceber que este é um mercado que gera bilhões de dólares ao ano e muitos empregos. Só falta ter a atenção que merece, preços que caibam no bolso do brasileiro e desenvolvimento educacional. Aliás, palmas para Pernambuco, onde o primeiro curso superior do assunto foi criado anos atrás. Acho que se tivermos estes três itens, a pirataria vai diminuir e muito.

Reforma Tributária

Posted in Legislação, Política with tags , , , , on dezembro 4, 2008 by Burning

Assuntos políticos sempre são um pé no saco. É muita discussão, muita picuinha e no fim o povo sempre leva o pior. E quando me refiro ao povo, digo as classes mais baixas da cadeia econômica brasileira. A classe menos favorecida além de ser boa parte do motor econômico brasileiro, é também a que tem menos instrução, menos cultura e onde o índice de violência é maior. 

A economia do país melhorou muito nos últimos 10 anos, mas não conseguiu sanar os problemas que citei, e um dos fatores é a carga de impostos que pagamos. Tudo o que compramos ou vendemos gera impostos para o governo, seja ele municipal, estadual ou federal. Estes impostos deveriam retornar em forma de benefícios de infra-estrutura, saúde, cultura e educação. O que não acontece em sua plenitude.

Parece discurso de sindicalista, mas é a verdade que impera no nosso país. E isso tem tudo a ver com todas as cadeias da sociedade. Inclusive com quem gosta de jogos, filmes e cultura em geral. Segundo um estudo do Insituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), a carga de impostos que pagamos nos jogos, chega a 72% do preço dele. É mais do que a metade do preço do jogo e claro, um absurdo. Um jogo que custa R$ 99 na verdade custaria por volta dos R$ 30 caso se retirasse o imposto. Imagina isso nos filmes, shows e etc.

A pirataria gera prejuízos aos cofres do governo. Mas com uma supertarifação dos produtos pelos impostos, quem consegue lazer se não recorrer a ela? A quantidade de produtos que seriam vendidos seria muito maior se o imposto fosse justo, isso sem contar no acesso a tecnologia que isso acarretaria, afinal as pessoas comprariam novos computadores para poderem utilizar o software que compraram. O projeto da reforma tributária está em tramitação no congresso e seria interessante se as pessoas se interessassem pelo que os congressitas estão aprontando com ela. Pense nisto.

Ahhh a pirataria…

Posted in gadgets, Tecnologia with tags , , , , , , , on novembro 27, 2008 by Burning
Bonitinho, mas ordinário

Bonitinho, mas ordinário

Enquanto uns olham a pirataria com medo e receio, outros fazem dela a sua fonte de renda. Na época em que os consoles de videogame começavam a vender bem aqui no Brasil, a única representada oficialmente era a Sega (via Tectoy). Nintendo e Atari tinham clones de várias marcas, vários modelos e muita criatividade.

Com o tempo e com os novos consoles, a pirataria se aprimorou, passou a fabricar o Nes em formatos que pareciam Playstations, controles de Nintendo 64 e agora até em modelos estranhos de celular. E é justamente de um destes modelos que resolvi falar hoje. Um dos meus colegas de trabalho comprou um Mp9 d6000. O treco aparentemente só faltava fazer café.

Bem, só faltava mesmo. Na propaganda do cara da Feira do Paraguai (Uma feira de importados aqui de Brasília) o treco era fantástico, 2 câmeras de 5 megapixels, zoom ótico, toca mp3, grava video, tem tv portátil, bluetooth, usa 2 chips de celular e é claro, toca mp9. MP9? O que será isso? Não sei, acho que daqui a uns 30 anos posso descobrir. Como sempre gosto de futucar nestes trecos ele pediu que eu desse uma olhada. As supostas câmera eram vga, o zoom não existe, o acabamento é péssimo e o menu parece ter sido feito por uma bruxa de tpm. A função de usar 2 chips até que funciona, o bluetooth depois que achei ele escondido também funcionou, o modo tv tb, mas a recepção era bem fraca, aliás a recepção do celular é ruim. Ahhh ainda tem touchscreen em algumas partes da tela, além do logos Cybershot e Vaio e um famigerado emulador de nintendinho.

Depois fui olhar e vi que existem vários sites vendendo os mp9, mp10 e por ai vai. Tenho que adimitir, o mundo pirata realmente não para, mas eu aconselharia você a guardar seu dinheiro. Se quizer saber mais é só olhar o Google, tem uma centena de links.

Meia entrada passa no Senado

Posted in Legislação, Política, Sociedade with tags , , , , on novembro 26, 2008 by Burning

O projeto da meia entrada passou ontem na Comissão de Educação, Cultura e Esporte. Ele agora segue para a Câmara já que foram feitas alterações no Senado. No site da Agência Senado tem uma reportagem com a atriz Cristiane Torloni dizendo “- Hoje tem meia-entrada que às vezes custa 25 reais. Ora, um aposentado não consegue pagar 25 reais. Então você começa a ter uma deformação de preços pela questão da meia-entrada. ” a agência senado diz um pouco acima da frase da atriz “Em entrevista na porta do gabinete da Presidência do Senado, a atriz explicou que, como os produtores culturais não podem arcar com a maioria da platéia pagando meia-entrada, o valor desta subiu”

Se a população já paga o preço que subiu para os produtores não terem perdas, qual a razão do projeto então? Alguém ai garante que os preços vão cair? Na minha infância, cinema e shows já eram caros, e não existia carteira de estudante. A única promoção do cinema era na quarta-feira e o cinema lotava. Nos outros dias, quase ninguém ia. Hoje, os cinemas fazem promoções para atrair o povo durante a semana para as salas não ficarem ociosas, e isso é porque ociosidade gera prejuízos e não o povo pagando meia entrada. A lógica dita que o projeto em si não faz sentido, vai apenas privar a populão da parca cultura a que tem acesso.

Depois vão reclamar da pirataria dos filmes, shows e etc. Não dão nenhuma opção à população. O mais engraçado são os artistas só aparecerem quando o dinheiro deles estar em questão. Vão ser capitalistas assim lá na china!

Atraso

Posted in jogos, Tecnologia with tags , , , , , on novembro 7, 2008 by Burning

taikodomEnquanto o Reino Unido informa que a indústria de videogames ultrapassou a de cinema como a principal fonte de diversão, aqui no Brasil nem sequer temos uma. É dureza viver em um país que considera jogos como coisa de crianças, ou como um fator alienador da vida.

Japão e EUA têm indústrias fortíssimas, que geram empregos, tecnologia, diversão e acesso à internet. Aqui o plano nacional de desenvolvimento para a internet está tão parado que nem ouvimos falar dele. Depois de uma grande confusão sobre a utilização do FUST anos atrás, hoje o assunto parece morto. 

Incentivar a produção nacional de videogames e jogos eletrônicos é uma das melhores formas de melhorar a inclusão digital, já que atualmente todos os consoles podem navegar na internet, bastando apenas ter o acesso. Claro que com os preços cobrados aqui no Brasil por produtos importados e/ou pirateados não ajuda neste sentido, mas se o governo se manifestasse e procurasse atrair as gigantes do ramo para cá, com certeza não somente o preço, mas a pirataria cairia, ajudando até a imagem do Brasil lá fora.

Ao mesmo tempo tenho que deixar aqui o elogio ao pessoal que desenvolve o Taikodom, um grande jogo e totalmente brasileiro. Esse pessoal é pioneiro e com certeza sabe de todas as agruras que um desenvolvedor pode sofrer aqui no Brasil sem o apoio do governo. E para quem não sabe, o jogo é de graça ou quem quizer pode comprar créditos que ajudam a ir pra frente na jornada espacial.